Chaves, qual o tamanho do mar?

Hoje eu vi o mar pela primeira vez. Não mergulhei, apenas fiquei ali, sozinho, um tanto abestalhado. Minha tia - uma mulher que mostra-se tão incrível quanto seu marido - ficou um pouco atrás, observando eu apreciar solitariamente este meu primeiro contato. Caminhei um pouco em direção à água e deixei as ondas chegarem e molharem os meus pés. Não sei muito bem o motivo d'eu ter feito isso, não consigo associar nenhum motivo romântico, sentimental ou místico para esta atitude. Só bateu a vontade e o fiz.

Tirei algumas fotografias com meu telefone, dentre as que tirei escolhi essa aqui:


Mais cedo - pouco antes do almoço - bebi um pouco de vinho argentino com o meu tio, acho que é a primeira vez que bebo um vinho um tanto mais apurado. O sabor é forte, bem diferente daquelas sangrias vagabundas que eu tinha o costume de beber, acabei o estranhando e por conta disso bebi pouco. Mas com o tempo vai ficando bom, principalmente se for acompanhado de fatias de salame, conforme eu fiz.

Num dia mais acessível eu dou uns mergulhos lá na praia e depois venho aqui prestar os devidos registros.

Meu primo coleciona - modestamente - miniaturas de carros. Não são réplicas miniaturizadas, são só carrinhos mesmo, desses que se compram em lojas de conveniência. Ontem, enquanto bebia com os amigos dele, lá no lago do Jacareí, ele foi comprar mais bebida e cigarros - o filho da puta fez questão de comprar da marca que gosto -, na volta ele me trouxe isto:


Desnecessário dizer que me agradei bastante do presente, vou guardar este aí com muito carinho. Estas pequenas merdas tem a gigantesca capacidade de me melhorar, valeu primo.
Licença Creative Commons

Este blog é licenciado com a Licença Creative Commons - Atribuição - Uso Não Comercial - Obras Derivadas Proibidas 3.0 Não Adaptada.
Você pode reproduzir o conteúdo aqui encontrado, mas não pode vendê-lo ou alterá-lo.