Desgosto

É complicado este negócio de se expressar, exprimir algum pensamento quando falta o pensamento. O conteúdo é ausente mas o desejo de falar qualquer coisa permanece, talvez numa tentativa de se aliviar ou mesmo até entender a si próprio. Afinal, sou eu tão vazio assim ou é minha cegueira que não me permite ver os meus próprios pensamentos?

Que desgosto, desgosto de mim. Ando meio amargurado com essa coisa toda de vida. Sinto desgosto até da minha própria amargura, veja só. Mas não é um desgosto maníaco, não quero me matar, não deixei de amar as coisas que já amava. É um desgosto do marasmo, da minha castração, da crescente esterilização de qualquer porção criativa que ainda possa existir em mim. E o desgosto maior é que não é a primeira vez que venho contar desgostos. Que desagradável a lamúria.
Licença Creative Commons

Este blog é licenciado com a Licença Creative Commons - Atribuição - Uso Não Comercial - Obras Derivadas Proibidas 3.0 Não Adaptada.
Você pode reproduzir o conteúdo aqui encontrado, mas não pode vendê-lo ou alterá-lo.